Terça-feira, 31 de Julho de 2007

O Perfume - História de um assassino

Ora...a falar de mais um livro (sim porque adoro ler!) Agora o que estou a ler, não faz parte da minha literatura normal, mas temos que conhecer várias coisas para nos enriquecermos. O livro é o mencionado em epígrafe, tratando de um rapaz, depois homem que não conhece a lei, não sabe o que é a dor e vive num mundo só dele! Passo a transcrever uma breve explicação do livro tirado num site de Internet:

"Toda a trama corre entre os anos de 1738 e 1767, respectivamente anos de nascimento e morte do herói-vilão que protagoniza a obra. Isso posiciona a narrativa dentro dos anos que antecedem a revolução francesa (1789). Uma época em que a França se tornara apática e massacrada pelos interesses burgueses.  

 Jean-Baptiste Grenouille, um ser totalmente inodoro , vem ao mundo em meio a podridão de uma peixaria. A mãe abandona-o à morte, mas ele acaba sendo resgatado, enquanto a jovem mãe desnaturada é condenada a decapitação.

O nascimento do anti-herói em meio aos restos de peixes representa   o estado da nação francesa comprometida desde as origens com ideais espúrios. Paris era o símbolo desta sujeira , não só figurativa como também literalmente :

 

 Naturalmente, em Paris o fedor era maior...

 

O Fato de Grenouille, não ter cheiro algum é um indicador de que ele não tem identidade , mas também não compactua com  a podre situação reinante : Ele não tem o “cheiro” que todos têm.

Jean-Baptiste se  torna, então,  um herói épico que parte em busca de sua identidade, do seu “cheiro” característico , do seu perfume. O Perfume perfeito.

O livro está repleto de mensagens alegóricas incrustadas no texto. Por exemplo, quando Grenouille trabalha no curtume totalmente submisso e indiferente ao próprio sofrimento, ele adoece. Uma doença que o autor chama de “esplenite” 1, que viria a ser uma inflamação do baço. Esta doença incomum, mas não sem propósito, tem o objetivo de descrever o sentimento de Grenouille naquele momento. Assim como o coração é o órgão associado ao amor, o “Spleen”, ou baço em inglês, é o órgão responsável pela melancolia para os românticos. Então, quando o autor diz que Grenouille tem uma “esplenite”, ele está dizendo que ele está com uma inflamação de melancolia, um excesso.

Grenouille descobre que o aroma perfeito pode ser obtido através de jovens moças virgens. Uma clássica alegoria a pureza. Ele mata então a primeira jovem na tentativa de roubar-lhe o perfume vital.

Esse aroma era a chave para ordenar todos os outros, que não entenderia nada de aromas se não entendesse esse.”2

 

 

Mais adiante o herói demonstra sua indignação diante dos modismos:

 

“Porque se precisava de um novo perfume a cada estação?3

 

 

Finalmente Grenouille revela seu grande desejo :

 

Ser um grande alambique que inundasse o mundo inteiro com os destilados por ele mesmo criados...4

 

Esta passagem demonstra que o grande sonho de nosso herói é ser um líder ,um catalisador , uma guia para uma França desorientada e fétida.

 

 

Jean-Baptiste toma consciência de sua insuficiência. Grenouille volta-se para dentro de si mesmo em busca de respostas. Queria “ser” ao invés de “ter” :

 

Queria externar o seu interior que ele considerava mais maravilhoso de que tudo que o mundo externo tinha para lhe oferecer...5

 

Ele se isola , então, em uma caverna a fim de encontrar a si mesmo. A caverna é uma alegoria ao próprio eu:

 

Abriram-se os escuros portões do seu interior e ele entrava6

 

 

Na caverna Grenouille organiza seus pensamentos , seus odores e de lá ele sai pronto para fabricar o aroma perfeito.

 

Ele vai parar em Montpellier e encontra um cientista  o marquês de la Taillade-Espinasse  que acredita que a terra possui fluidos mortais e o ar fluidos vitais, ou seja , quanto mais próximo da terra mais mortal, quanto mais alto mais vital. Grenouille inventa que foi preso por seqüestradores durante sete anos num poço. O que leva o cientista a afirmar que o estado deplorável de Grenouille é a prova de sua teoria. Com esta passagem o autor afirma que até a ciência pode-se deixar iludir ou enganar.

 

Jean-Baptiste recomeça suas andanças e chega a cidade de Grasse,, considerada a metrópole na produção de substâncias aromáticas. Lá Grenouille vai trabalhar numa perfumaria e começa a matar jovens para retirar-lhes o fluído aromático vital.

 

O herói tem um momento de fraqueza e sente a tentação de fugir , de abandonar a empreitada a que se destinou :

 

“...embora fosse velha a tentação de ir embora e se esconder numa caverna.7

 

 

Ao final , Grenouille mata 24 moças e mais uma especial , filha de um homem rico que ocupava o cargo de vice-cônsul, ela é a que tinha o melhor perfume. Com elas ele fabrica vidros de um perfume capaz de inebriar as pessoas.

 

A trama é desfeita , ele é descoberto, preso e condenado , mas no dia da execução ele faz uso do perfume e toda a população reunida acaba vendo-o como um Deus e uma orgia sem controle toma conta de toda a cidade. As acusações sobre ele são retiradas e ele vai embora. Grenouille conseguiu o que queria tornar-se uma espécie de Deus graças ao efeitos do perfume que finalmente conseguiu criar. Mas porque ele não está satisfeito ? Porque sempre que algo novo surge, um novo ideal , um novo objetivo, logo tudo é distorcido em favor de uns e de outros e por fim as coisas são abafadas e tudo fica por isso mesmo. A luta pessoal de Grenouille parece, mas só parece, ter sido em vão.

 

Num única passagem é possível resumir quem é Jean-Baptiste Grenouille :

 

Ele realizara o feito de Prometeu7

 

Ele trouxe a chama divina ao homem e mais, ele a colocou no seu interior. Grenouille foi maior que Prometeu.

 

 

O protagonista vai até Paris e se entrega a um final dramático e fortemente alegórico. Grenouille se encharca do perfume que usou para escapar à execução e é devorado , literalmente, por um bando de mendigos, assaltantes, prostitutas, desertores e jovens desesperados. Ele é despedaçado, consumido por eles, e dele nada resta.  Qual o significado desta morte horrível ?

Pode-se ter a falsa impressão de que o autor queira afirmar que os idealistas são consumidos pelas massas ou pela podridão que o sistema produz. Mas as últimas linhas do texto nos faz pensar em algo diferente.

 

...seus corações estavam bem leves(...) . Pela primeira vez , haviam feito algo por amor8

 

Aqueles malditos que os despedaçaram, na verdade não o mataram simplesmente, mas sim se alimentaram dele. Nutriram suas almas com o perfume de Grenouille, se encheram com seus ideais que eclodiram mais tarde na revolução francesa

publish Princess Sophia às 14:56

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 27 de Julho de 2007

"Eu Menti"

Li inda nem fez uma semana um livro intitulado "Eu Menti" sobre uma miudinha francesa cujos pais portugueses, a miuda tinha dificuldades em fazer amizades, era complexada ou caraças e então começou a dar-se com uma outra miuda popular na escola, a "complexadinha" tava tda feliz da vida até que para cativar mais a atenção da dita popular inventou que o pai tinha abusado sexualemnte dela, ora a popular acreditou, obviamente (PITAS). Então a popular contou ao conselho executivo e por ai adiante... o pai ás tantas foi condenado a 12 anos de prisão..uma história conhecida aos mais atentos, aconselho a ler este livro, para saberem que nem sempre os pais violam essas crianças.. nem sempre... no mínimo revoltante! A quem ja leu, desafio a expressar-se aqui do que sentiu ao saber desta história!
sinto-me: Revoltada
publish Princess Sophia às 16:38

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

rabiscado por mim..

pesquisar

 

Outubro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

rabiscos recentes

O Perfume - História de u...

"Eu Menti"

arquivos

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

tags

todas as tags

links

foto blog

on line..

online

Visitantes!

on line..

online

on line..

online
blogs SAPO

subscrever feeds